Eu passando o dia a te esperar, você sem me notar…
Los Hermanos.  
 
Falta de amor gera dor.
Davi Araújo.
 
Nunca fui boa com as palavras, escrever o que sentia parecia uma tarefa árdua para mim, porque cada palavra me trazia diversas lembranças e na maioria delas, não eram muito boas.
TM 
 
Vocês não sabem o que estava se passando no resto da minha vida. Em casa. Nem mesmo na escola. Não sabem o que se passa na vida de ninguém, a não ser na de vocês. E quando estragam parte da vida de uma pessoa, não estão estragando apenas aquela parte. Infelizmente, não da pra ser tão preciso e seletivo. Quando você estraga a parte da vida de alguém, você estraga a vida toda dessa pessoa. Tudo… é afetado.
Os 13 porquês.  
 
Cá entre nós. Você só está aqui comigo por segurança e nostalgia, porque fiz parte da sua vida num passado distante que não volta mais. Talvez você esteja aqui comigo pelos motivos errados, tentando resgatar um fulgor escasso na década. Eu cresci, me modifiquei, ganhei algumas rugas, tirei lições, tenho um punhado de experiência, e até agora ninguém entrou com pedido de beatificação. Conheço bem você. Procura uma foda rápida, mas precisa mesmo de um novo amor. Eu não sou essa pessoa que você está procurando. Não voltei para salvar você.
Gabito Nunes.
 
Aprenda uma coisa: Se a vida tá te batendo tanto, é porque tu aguenta, é porque tu é forte.
Tati Bernardi.   
 
No dia dos namorados, os restaurantes lotam, os vinhos são escolhidos e as velas em cima da mesa são acendidas. Há todo um clima propício para olhos nos olhos e confirmações verbais do amor. Clichê pra quem vê de fora. Estando dentro, aceitam-se as regras do jogo, é uma das formas recorrentes de comemoração. Mas tivesse eu que escolher o símbolo máximo do namoro, não me restringiria aos prazeres da mesa e nem mesmo aos da cama, incluindo entre os da cama colocar sobre a colcha um gigantesco bicho de pelúcia, um dos presentes preferidos para celebrar a data. Namoro que é namoro está representado por algo muito mais simples, sutil, barato e íntimo: os dedos entrelaçados no escuro do cinema. De mãos dadas se constrói uma relação. Do que sentem falta os amantes clandestinos? Luxúria eles têm de sobra. O que lhes falta é esta forma brejeira de intimidade: dar-se as mãos. Na rua é arriscado, há olhos por todos os lados, já no cinema é possível providenciar um encontro às escuras e ali realizar a mais tórrida aproximação de corpos, um ato realmente subversivo para adúlteros: unir as mãos como dois namorados. Se, ao contrário, o casal tem um namoro oficializado, sem razão para segredos, ainda assim o segredo se manterá entre eles pelo simples fato de que as mãos dadas dentro do cinema não são uma representação pública de amor e sim um carinho privado. Ninguém está testemunhando, ninguém está reparando, a platéia está toda de olho na tela e o casal também, porém seguros um no outro através de um entrelaçamento que, à luz do dia, seria corriqueiro, um simples hábito sem maior significância, mas que num espaço compartilhado com estranhos, no escuro, torna-se uma forma particular e irresistível de cumplicidade. Este gesto mundano e trivial pode às vezes ser mais importante que um beijo — que um beijo! Pergunte a uma viúva do que ela mais sente falta do falecido, e é bem possível de ela lembrar só dos incômodos que o infeliz causava, mas as mãos agarradas dentro do cinema hão de despertar sua saudade. Pergunte a mesma coisa a alguém que está passando por uma dor-de-cotovelo daquelas. Mesmo sofrendo, é provável que não se comova com a lembrança das brigas e nem dos “eu te amo”, mas ter de assistir a uma comédia romântica de braços cruzados há de ferí-la de morte. E os casados há 20 anos, há 30, há 50 anos? Podem hoje ter o costume de rugir um para o outro na sala de jantar, mas dentro do cinema ainda se tratam como se tivessem se conhecido ontem e não perdem o hábito instaurado no primeiro filme de suas vidas. Se não o fazem, é porque o casamento já acabou e não foram avisados. O último resquício de amor ainda se confirma com as mãos dadas dentro do cinema. Há salvação para os que as mantêm unidas ao menos ali. Amanhã será dia de restaurantes lotados. Muitas garrafas de vinho serão abertas, umas tantas outras de champanhe. O estabelecimento que tiver fondue no cardápio servirá fondue, e mesmo as pizzas serão degustadas como um prato especial. Pudera, é mesmo um dia especial. Mas será dentro dos cinemas que a declaração mais terna e espontânea se dará.
Martha Medeiros 
 
Podia ser só amizade, paixão, carinho, admiração, respeito, ternura, tesão. Com tantos sentimentos arrumados cuidadosamente na prateleira de cima, tinha de ser justo amor, meu Deus?
Caio Fernando Abreu.
 
Ser forte é amar, é aceitar tudo aquilo que é diferente de braços abertos e se adaptar. Ser forte é entregar-se para a vida, mesmo sabendo que nela há dor e ódio, pois mesmo assim sabe-se que também há alegria e felicidade. Ser forte é dar o melhor de si para agradar a quem se ama. Ser forte é engolir o choro, é gritar, é dizer “eu te amo” e dar as costas, é confessar os sentimentos arriscando a felicidade. Ser forte é pedir perdão, é aceitar críticas, é correr atrás do que se deseja mesmo quando todas as esperanças parecem estar perdidas. Ser forte é ajudar, abraçar, beijar… Ser forte é saber a hora de parar com algumas coisas. Ser forte é olhar para o céu e dizer “tudo bem, tudo vai ficar bem…”. Mas ninguém precisa ser forte o tempo todo.
Nattan Duran 
 
Quero o calor do teu corpo junto ao meu num dia frio.
Para alguém que talvez nunca irá ler. 
 
Uma lágrima rolou
Do meu olho ao perceber
Que era a última vez
Em que eu ia ver você
Outra lágrima rolou
Dentro do meu coração
Ao ver a velocidade
Com que as vidas vão em vão..
Duas lágrimas. 
 
Passe 24 horas comigo. Chegue atrasada no trabalho grudada em meus braços, trocando olhares e sorrisos entre meus beijos. Use suas armas e taras iniciando a nossa foda com amor, no começo da casa, espelhando nossas peças de roupas nas escadas e terminando nosso amor e sexo na cama. Feche a porta quando chegar a hora de eu ir embora. Faça barraco pedindo carinho, meu colo amigo e a minha proteção. Rasga a minha bermuda, faz drama, charminho gostoso, grita comigo, me xinga, morde, me bate até deixar marcas, mas não pense em viver uma vida sem mim. Segura nas minhas mãos, com nossos dedos entrelaçados e correr pela chuva como dois loucos apaixonados. Vamos parar o ônibus fazendo coração com as mãos, convidando a presença de todos ao nosso noivado. Vamos fazer um pequena viagem a igreja, em direção ao altar. molhados, sem buquê, palitó e vestido, bagunçados com a apareça de retartados, supreender o pastor tentanto explicar o motivo de toda nossa loucura. Com gestos e palavras a necessidade de estar juntos, a vontade de realizar do fruto do nosso amor nossos primeiros e únicos filhos. O querer de manter um amor verdadeiro a vida toda, montar a nossa casinha no meio do nada, ter o mesmo sobrenome, concretizar o grande sonho de trocar alianças e a união do nosso casamento.
I want forever by your side - Pablo Henrique Dantas.
 
A dor não é bonita
a gente é que põe flor
no lugar da ferida.
Docismo.  
 
Um ano. Trezentos e sessenta e cinco dias. Muitos terão histórias para contar para os amigos, quando se reunirem no último jantar do ano. Cada um terá o seu momento para dizer o que aprenderam, o que vivenciaram, o que foi bom, o que foi ruim, o que não era para acontecer, o que não aconteceu. Muitas famílias vão se vestir de branco para começar o ano bem, apesar de isso ser só uma das superstições banais que sempre inventam. Muitas pessoas vão ter o que comer, o que beber, o que dizer, o que rever. Muitas pessoas terão fogos para soltar, bombinhas para explodir perto da casa do vizinho chato, que não irá reclamar, porque é o último dia, o início de um novo ciclo. O reinício de uma longa e estranha caminhada que há mais curvas do que retas, mais barreiras do que permissões, mais lágrimas do que sorrisos. Não comemoro o fim do ano esperando que tudo se resolva, pois em cerca de uma década e meia, ainda não sei o que melhorou para mim. Não tenho o que contar, o que dizer, o que relembrar. Minha vida passou em branco, por trezentos e sessenta e cinco dias. Se a cor branca dá sorte, eu devo ter manchado todas as camisas sem perceber e acabei comemorando errado.
Junior Lima.
 
Ele existe. Você sabe que seriam bons amigos, bons parceiros, bons inimigos, mas você prefere ser a garota dele. E sabe que serão importantes na história um do outro para sempre, independentemente de tudo que estiver pra acontecer. Porque ele não é só um cara. Você não quer mais só um cara. E ele é tudo que você quer hoje.
Tati Bernardi